Postado dia 29/09/2015 às 11h59 - Atualizado em 25/10/2015 às 16h59

A relevância do Não

Pelas circunstâncias da vida passo a observar que o NÃO impera perante o SIM com larga vantagem. Além das contrariedades naturais, que são muitas, quando se precisa resolver qualquer situação, as dificuldades aumentam se depender de outro... A gente nunca tem tudo o que é exigido. Aquilo que se chama burocracia é um monte de NÃO acumulados. Não entre sem ser convidado. Não entre sem bater. Não fure a fila. Não venha sem os documentos apontados. É placa por todo lado: Não fume. Não pise na grama. Não faça barulho. Não entre em traje de banho. É arranjada tanta coisa pra dizer NÃO que algumas são ainda mais taxativas quando passa a ser proibição: Proibido fumar. Entrada proibida. Até certo tempo nos transportes coletivos lia-se: Proibido fumar cachimbo, charuto e palheiro. Cigarro de papel podia... E os alertas: Não pare no acostamento. Não ultrapasse na faixa contínua. Não buzine – Hospital. Não corra, não mate, não morra. Parece que a tendência geral é praticar tudo ao contrário do SIM... E isso já vem do princípio do mundo, conforme as próprias citações bíblicas. Nos Dez mandamentos da Lei de Deus, que adverte taxativamente como se deve proceder, sete começam com NÃO: Não tomar seu santo nome em vão; Não matar; Não pecar contra a castidade; Não roubar; Não levantar falso testemunho; Não desejar a mulher do próximo; Não cobiçar as coisas alheias. Qualquer coisa em sentido contrário é NÃO: doença, derrota, reprovação, aborrecimento, desgosto, raiva, ódio, rancor, desavença, intriga, dor, ofensa, dificuldades, mágoa, tristeza, rivalidades, inveja, traição - e todo o tipo de contrariedades que existem na vida de cada um. As próprias leis civis foram criadas para corrigir o que NÃO é certo.
E tem ainda os negativistas que sempre arranjam um pretexto pra dizer NÃO.