Postado dia 12/04/2014 às 20h17 - Atualizado em 15/09/2014 às 19h46

São José de Anchieta

None

A partir do dia 03 de abril de 2014, a Prainha de São Miguel no Gravatá passou a venerar seu co-padroeiro São José de Anchieta. Lembramos quando há 33 anos o saudoso Padre Cláudio Cadorin fundou naquela comunidade a capela cultuada ao Beato José de Anchieta. Dia 27 de janeiro de 1981 ele celebrou a primeira missa naquela casinha de madeira que era a escolinha do bairro Nossa Senhora de Fátima doada pela Prefeitura de Penha ao espirituoso Pároco que queria uma casa de Deus em cada canto de sua paróquia.


Anchieta, o conhecido Apóstolo do Brasil, participou com Manoel da Nóbrega na fundação da cidade de São Paulo, em 1554, um ano após sua chegada ao Brasil. Pelo seu grande trabalho apostólico e muita fé, Anchieta foi beatificado pelo Papa João Paulo II em 22 de junho de 1980. Apenas seis meses depois ganhou a honra dos altares, bela homenagem do Padre Cláudio Cadorin.


Ora, 33 anos depois da fundação da capela na Prainha, Anchieta foi proclamado Santo pelo Papa Francisco, passando a se chamar São José Anchieta. Padre Cláudio deixou nosso convívio no dia 30 de novembro de 1994. Faria 83 anos neste dia 23 de abril.


José de Anchieta é natural de São Cristóbal de La Laguna, em Tenerife, nas Ilhas Canárias, nascido em 19 de março de 1534. Faleceu em 09 de junho de 1597, em Iriritiba, ES/Brasil. Sua Festa litúrgica é 09 de junho.
A Canonização de Anchieta traz um bom motivo para que a comunidade da Prainha de São Miguel, a partir de então, promova uma grande festa todos os anos.