Postado dia 09/11/2015 às 13h33 - Atualizado em 22/11/2015 às 14h08

Crime de Ódio

Há alguns poucos anos fui convidado pelo professor Claudemir Cercal e o Adriano de Souza a escrever sobre cultura afro para o Jornal Beira da Praia. Meus primeiros textos foram sobre as dificuldades que o negro encontrava no dia a dia, em especial, as de cunho racista. Já prometi algumas vezes não escrever mais sobre racismo, em virtude da coluna parecer redundante demais. Acredito ter escrito umas 8 ou 9 colunas sobre racismo. Mas a questão é que o assunto não sai da pauta dos noticiários... E parece que não sairá nos próximos séculos...


Se analisarmos as últimas semanas poderemos comentar sobre o crime de ódio que terminou com o homicídio de uma imigrante haitiano; dos ataques sofridos pela modelo e frentista Tainara de Jesus Santos; das ofensas proferidas à atriz Taís Araújo; dos xingamentos destinados ao jogador do São Paulo, Michel Bastos... Poderíamos relatar inúmeros casos... Inúmeros casos de crimes de ódio! Ódio aprendido nas rodas de conversas, geralmente, também machistas! Ódio aprendido em casa quando o pai e mãe depreciam o cabelo e a cor da pele dos coleguinhas dos filhos! Ódio aprendido em algumas igrejas que literalmente dizem que o que vem da África é do diabo! Ódio aprendido nas escolas quando alguns educadores selecionam conteúdos a serem ensinados (quase sempre europeus) e descartam o que trata sobre o negro... Ódio ensinado pela mídia durante décadas... E essa doutrina de odiar o negro, ainda que de maneira dissimulada e cínica, vai passando de geração a geração...


Tenho orientado alguns amigos e parentes negros a não “deixar quieto” quando o racismo atingir a alma... A cortar o racismo na raiz... Chega de nos posicionarmos como coitados sem esperanças! Existem leis que amparam as vítimas de racismo... Para termos a noção da gravidade, o crime de racismo é equiparado ao crime de tortura (lei 9.455/97). É inafiançável (não se paga fiança) e impresquitível (sem prazo de validade). Quando existe realmente a vontade de diminuir nossa condição humana, usem o artigo 140 do Código Penal. Caso o criminoso aja pela internet, inclusive usando perfil fake, acesse o site http://new.safernet.org.br/denuncie e formalize denúncia. Importante também fazer um “Print Screen” e ir até a Delegacia mais próxima para os encaminhamentos. Apesar da maioria das pessoas não serem racistas (quero acreditar), existe ainda uma turma grande que pode causar um estrago muito terrível à humanidade. Infelizmente!