Postado dia 22/12/2012 às 18h34 - Atualizado em 15/09/2014 às 19h46

Pão Doce Natalino

None

Não importa o quanto nossos corações estão endurecidos... Quando se aproxima o Natal cada coração se amolece fazendo lembranças da vida quando éramos crianças virem à tona...

Afinal, quem nunca esperou o Papai Noel chegar? Quem nunca beliscou a rabanada fresquinha feita pela mamãe? Quem nunca se reuniu em família ouvindo a vó dizer coisas sobre o nascimento de Jesus? Ou quem nunca cantou “Noite Feliz” com a alma repleta de alegria? São tantas coisas que o Natal traz... E a mesa de Natal? Chester, peru, rabanada, nozes, vinho, risoto, bacalhoada, frutas e panetone... Ah! O panetone... Mas de onde surgiu o Panetone?

Existe uma lenda que surgiu no século XV em Milão, Península Itálica, que um rapaz da família Atellini se apaixonou pela filha de um padeiro chamado Toni. Para se aproximar do sogro, o rapaz se disfarçou de ajudante de padeiro e pediu emprego na padaria do Toni. Para impressionar o sogro o rapaz fez uma massa com frutas cristalizadas. O rapaz também moldou a massa com formato circular e com superfície parecida com a cúpula de uma igreja. O pão teria vendido tanto que o padeiro Toni ficou rico e famoso. Todos queriam comer o “pan di toni” (pão do Toni) e com o passar dos anos o pão passou a ser chamado de panetone.

Outra lenda sobre o surgimento do panetone é a que o mestre-cuca Gian Galeazzo Visconti, primeiro duque de Milão, preparou o pão para uma festa em 1395. Contudo, o pão do Toni e do mestre-cuca Visconti não são os únicos...

Existe outra versão, surgida entre 1300 a 1400 depois de Cristo, de um jovem milanês chamado Ughetto, nobre da Corte do Duque Ludovico Sforz. O jovem se apaixonou por uma jovem pobre chamada Adalgisa. A família de Ughetto não aceitou a união devida a condição financeira de Adalgisa. O pai da jovem era padeiro e o apaixonado milanês foi trabalhar com o sogro para ficar mais perto da amada. Logo, o jovem inventou um pão com frutas cristalizadas tornando a família de Adalgisa rica “credenciando-a” ao casório.

Atualmente existem panetones de sorvetes, salgados e de chocolates... Tem panetone para todos os gostos e lendas! Mas o certo mesmo é que o pão trazido ao Brasil pelos italianos entrou definitivamente para nossa ceia natalina.