Postado dia 11/04/2014 às 20h21 - Atualizado em 15/09/2014 às 19h46

Denuncismo Eleitoral

None

Chega o período das eleições, e mais uma vez começa a já tradicional onda do “denuncismo”. De repente pipocam denúncias de todos os cantos, versões, informações, enfim, até mesmo assuntos que já eram notícias velhas são requentados pelos políticos para servir a uma imprensa ávida por polêmica para aumentar a audiência e as tiragens.


Coisa comum em algumas destas é que apuradas as investigações, alguns fatos são mostrados como desinformações e calúnia motivadas apenas pela disputa nas urnas. Mas daí o estrago já foi feito, pessoas já tiveram a reputação destruída, o que importa é arrancar o voto do adversário para seu campo político.


Com acusações vindas de ambos os lados, oposicionistas e governistas, é triste constatar que muitas vezes a disputa eleitoral se resume a apontar o dedo para o lado oposto e gritar “ladrão”. São por coisas como essas que a classe política num todo está em descrédito, e se há até mesmo políticos que não merecem essa alcunha, o comportamento geral acabou por rotular a todos como incompentes e corruptos.


A chamada “classe política” poderia conquistar muito mais credibilidade se os temas das discussões e divergências fosse as propostas de governo, no que diferem os projetos de um ou outro lado político sobre como resolver os problemas da nação ou de cada estado. Que os congressistas não devem deixar de lado seu papel fiscalizador isso é inegável, mas se arvorar a “político justiceiro” só em época de eleição é no mínimo suspeito.
Há candidatos a presidente que por exemplo em quatro anos no senado não foram autores sequer de um único projeto de lei que alguém consiga lembrar. Por que essas pessoas querem um cargo maior ainda se no atual cargo que detém - que já tem certo poder - pouco ou nada apresentaram?


O mandato de parlamentar não pode se restringir a atrapalhar o adversário. Fiscalização sim, combatendo a corrupção e o desperdício de dinheiro público. Mas o objetivo parece não ser este e somente ganhar palanque nas emissoras de TV e revistas jornalísticas para angariar os votinhos pra continuar garantindo sua eterna boquinha as custas do cofres públicos. De fato, há certos senadores que há há mais de 20 anos ocupam a mesma cadeira. Entra governo e sai governo e eles continuam por lá e fica a pergunta, quais são as grandes contribuições que esses políticos fizeram para merecer tantos mandatos?
Nessas horas o denuncismo ajuda, é preciso mostrar serviço ao menos em época de eleição. Depois que se volte ao marasmo e conchavos de sempre. Para muitos o processo democrático não passa de um show apresentado pela mídia, onde a salva de palmas dos eleitores são os votos nas urnas.


Esse sistema infelizmente só vai mudar quando o eleitor deixar de se seduzir pelo espetáculo e cobrar mais conteúdo dos seus representantes. Precisamos eleger governantes e legisladores, não showmans que só gostam de aparecer.