Postado dia 17/10/2009 às 00h00 - Atualizado em 15/09/2014 às 18h53

Salve salve as benzedeiras

None

Na atualidade, com a medicina moderna, poucas pessoas procuram uma benzedeira para tentar curar-se de algum mal. Mesmo assim, há ainda quem diga, vá procurar uma benzedeira. Até bem pouco tempo, como era difícil termos médicos em nossas cidades, muito menos postos de saúde, período onde era comum a procura de quem fizesse um benzimento.



Prática quase que exclusiva de mulheres, mas também havia homens que tinham gosto pela benzedura como o seu Frankilin na praia da Armação que fazia garrafada pra muita gente. Ia se procurá-lo, por que era conhecido por fazer uma boa garrafada pra curar triza, como era conhecida a Hepatite pelos populares.



Estas pessoas eram procuradas pra curar uma série de doenças que iam da alma a feridas pelo corpo, como relata ALESSANDRA RECH. Para as questões transcendentais: religião, filosofia, arte. Para as doenças: alopatia, homeopatia, as terapias todas. E para as pequenas feridas do corpo e da alma? As benzedeiras. Herdeiras de uma prática ancestral ou praticantes autônomas de sua fé, essas singelas lideranças não precisam de endereço. Basta perguntar pelas ruas, e alguém o levará até uma delas.



Assim, a prática do benzimento é a procura de bênçãos que visam restabelecer o bem- estar físico ou espiritual das pessoas que as procuram. Nas benzeduras as bênçãos sempre são associadas a orações e gestos que procuram na religiosidade e na dinvidade, a cura para os males da pessoa que está sendo benzida.



Neste contexto, está presente também uma forte cultura popular que espelhados na religiosidade mostram toda uma riqueza que muitos pesquisadores se embebessem para depois escreverem livros, teses ou apenas uma simples coluna como esta, que tem por afinidade mostrar a simplicidade da história. A simplicidade de pessoas como a Dona Nanca, que nos idos de seus 70 anos, colhe alecrim ou outra erva medicinal para em seus benzimentos afirmar a permanência de uma cultura que insiste em nos rodear.