Postado dia 28/09/2015 às 11h57 - Atualizado em 11/10/2015 às 11h58

As consequências políticas do escândalo das multas

► O resultado da investigação do DEIC sobre o escândalo das multas em Penha caiu como uma multa no cenário político penhense. Enquanto nossa reportagem relata os fatos, vamos analisar aqui as possíveis consequências políticas do caso.

► Em primeiro lugar, seria eufemismo acreditar que esse tipo de escândalo não terá impacto negativo nos políticos do PSDB, e da sigla como num todo em Penha. A questão é o tamanho desse impacto. Como falta um ano pra eleição propriamente dita, talvez o tempo minimize a polêmica na consciência do eleitor com tendências tucanas. Mas talvez não.

► Outra coisa a se considerar é que, segundo o delegado Procópio, foram 3.500 multas canceladas “ilegalmente” nos últimos 7 anos. Isso é muita, mas MUITA gente - no caso eleitores - envolvidos, que foram beneficiados pelo esquema. Difícil imaginar que essa gente “criminalizaria” vereadores e prefeitos que os beneficiaram. Pelo contrário, a tendência é expressar neles um “voto de gratidão”.

► No entanto, maior que a possível perda de votos, a preocupação que tem rondado muitas lideranças tucanas é se isso poderia prejudicar o registro eleitoral de alguns candidatos. Isso porque para registrar candidatura é necessário sempre conseguir uma certidão criminal negativa da polícia. Caso contrário, os candidatos vão ter que entrar na justiça para registar suas candidaturas, e pior, podem perder os mandatos se mais tarde forem condenados peloos crimes que estão sendo acusados.

► Por conta disso, muitos tucanos desconfiam que possa ter rolado alguma “motivação política” na atuação da polícia - que é comandada pelo governo do estado - para deixar o partido numa situação que não tenha outra saída do que aceitar ser vice de outra sigla. O que era impensável pouco tempo atrás, haja vista que hoje o PSDB é o maior partido da Penha, com maior número de filiados, vereadores e recursos financeiros.

► Isso porque todo mundo sabe que o uso do cancelamento de multas como moeda política é infelizmente uma tradição no município de Penha que existe desde o primeiro dia que foi criado um departamento de trânsito por aqui. Mas somente em 2014, poucos meses depois do PSDB coincidentemente sair do governo do estado, a polícia “notou” que o número de multas cobradas era muito menor do que o das aplicadas.

► Mudando de assunto, a bomba política da semana fica por conta do genro do ex-prefeito Julcemar Coelho, Júlio César Duarte. Ele se filiou no DEM, legenda onde já estava seu irmão, Benjamim. E diz que se filiou pra vir candidato a prefeito. Se isso acontecer, poderemos talvez presenciar o evento histórico de vermos os ex-prefeitos Coelho e Clóvis Bergamaschi no mesmo palanque, apoiando o mesmo candidato. Quem diria uma coisa dessas 10 anos atrás?