Postado dia 10/11/2015 às 13h52 - Atualizado em 22/11/2015 às 13h56

O novo PP e o apoio de Henny para Júlio

Briga judicial com a Casan pode impedir prefeitura de receber financiamentos no ano de eleição

► O PP de Penha está de cara nova, e com possível pré-candidato a prefeito: o secretário de saúde Cleiby Darossi não só foi para a sigla, como é seu novo presidente. A vinda de Cleiby não só aumenta os boatos de que o partido pode vir em raia própria como brigar pelo menos pelo vice numa coligação provável com o PSDB.

► No domingo passado, o vereador e ex-prefeito Clóvis Bergamaschi (DEM) confirmou o apoio incondicional da ex-primeira dama e presidenta de honra da APAE de Penha, Henny Coelho, para seu genro, o empresário Júlio César Duarte da Silva, do Júlio Lanches.

► Ainda filiada no PMDB, na própria convenção do partido, no entanto, Henny ressaltou que vai pedir votos para o genro que é “como um filho para ela”.

► Outro apoio dentro do PMDB é do deputado Peninha, que apesar da ida de Júlio para o DEM, ainda continua amigo da família, que foram seus principais cabos eleitorais na cidade na última eleição.

► Falando em dissidências, nem todos os PMDBistas receberam o ex-vereador Alessandro da Silva de braços abertos. Especialmente os concorrentes eleitorais da mesma vizinhança...

► A decisão do TCE da acatar as denúncias da CASAN sobre a dívida do município com a estatal catarinense anda preocupando alguns membros do governo municipal. Se a Casan conseguir que os bens da prefeitura de Penha fiquem retidos judicialmente, a prefeitura pode acabar não conseguindo pegar o empréstimo de 1,2 milhão de reais já autorizado pela câmara ao BADESC. Pior, com a certidão negativada, o município fica impedido de receber até verbas de convênios dos governos federal e estadual. Isso poderia cancelar diversas obras previstas para o ano de eleição.

► Mas mesmo o empréstimo do Badesc está longe de resolver todos os problemas políticos do governo. A quantia autorizada pelo banco é de 1,2 milhão, e a prefeitura pretendia muito mais. O dinheiro será usado para fazer pavimentações de algumas pequenas ruas, mas certamente não será aplicada em obras mais caras, como seriam a pavimentão da estrada geral do São Nicolau ou da Rua Tijuas, na comunidade da Olaria.

► Por quase 60 dias, o sistema eletrônico da secretaria da fazenda esteve “fora do ar”. Uma tempestade teria queimado os dois HDs com informações fiscais da prefeitura, inclusive o back-up que estaria coincidemente ligado na mesma rede. O chefe de gabinete, Reginaldo Waltrick, no entanto, garantiu que todos os dados teriam sido recuperados numa empresa especializada, em São Paulo.

► Muitas empresas não puderam tirar nota fiscal nos últimos 60 dias, e acredita-se que o município possa ter deixado de arrecadar cerca de 300 mil reais na brincadeira.