Postado dia 30/06/2016 às 14h00 - Atualizado em 30/06/2016 às 14h04

Baleia fica presa em rede de pesca

Esta é a segunda baleia que se enrosca em apetrechos marítimos esta semana na Penha.

Um baleia jubarte se enroscou ontem à tarde em uma rede de pesca na costa de Penha. Até o começo da noite, a gigante continuava por lá. Bombeiros e pesquisadores da Univali tentaram resgatá-la, mas não conseguiram desvencilhar o animal. Esta é a segunda baleia que se enrosca em apetrechos marítimos esta semana na Penha.


A baleia navegava entre a ilha Feia e a praia da Bacia da Vovó quando esbarrou com uma rede de espera. Quanto mais se debatia, mais se enrolava no equipamento. O sargento Gama e o soldado Uptmoor, do corpo de Bombeiros de Itajaí, foram os primeiros a chegar no local.


Os homens-rã dos bombeiros chegaram a pular na água, mas pouco puderam fazer. “A equipe do Bombeiros iniciou os trabalhos de resgate, porém o animal estava muito nervoso e não facilitou o trabalho”, contaram os vermelhinhos. Hoje pela manhã, eles voltarão ao local para tentar salvar a baleia.


Pesquisadores da Univali também chegaram lá. “Mas o nosso pessoal não conseguiu se aproximar e já era noite”, contou o professor Gilberto Manzoni, da Univali de Penha. Segundo o professor, essa é uma época de migração da espécie e, no começo da semana, uma outra baleia já tinha se enroscado nas lanternas de cultivo das fazendas de maricultura em Armação. Os cabos foram cortados e a baleia, do início da semana, conseguiu se desvencilhar.

Armadilhas


Para o professor, o problema são as redes de espera, que ficam largadas muito tempo no mar.


As jubartes que passam por aqui costumam vir do continente Antártico em direção ao arquipélago de Abrolhos, na costa baiana. Elas estão em migração e vão pra lá no inverno para parir ou para alimentar os filhotes em águas mais quentes.


Esse tipo de baleia costuma ter entre 12 e 16 metros de comprimento e pode pesar até 40 toneladas.