Postado dia 20/10/2017 às 23h59 - Atualizado em 24/10/2017 às 18h49

Cidasc interdita provisoriamente coleta e venda de moluscos em Santa Catarina

Proibição atinge cultivo de marisco em Penha

A companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc) determinou na ultima quarta-feira, dia 18, que estão proibidas a venda e a retirada de mariscos, ostras, vieiras e berbigões, seja de cultivo ou de cativeiro, em todo o litoral do estado, por conta de uma intoxicação nos moluscos causada pelo fenômeno da "maré vermelha", quando micro-algas tóxicas se reproduzem excessivamente. Esse tipo de alga produz neurotoxinas que causam a intoxição PSP, que provoca diarreia, náuseas, vômitos, dores abdominais e perda de sensibilidade nas extremidades corpo. Nos casos mais graves, provoca paralisia generalizada e morte por falência respiratória.

Os sintomas, informa comunicado da Cidasc, costumam aparecer logo depois da ingestão do marisco contaminado. E não é somente o mexilhão que pode estar com a neurotoxina. Ostras, berbigões e qualquer outro molusco de concha, em especial, também pode fazer mal se ingeridos. Em caso desses sintomas, a secretaria de saúde de Penha orientou que os moradores procurem imediatamente o Pronto-Atendimento 24 horas.

Por enquanto foi encontrada a contaminação apenas na cidade de Porto Belo, mas o governo do estado decidiu pela interdição preventiva, como forma de garantir a segurança alimentar da população. Amostras do cultivo do marisco de Penha já foram recolhidas e foram para análise do laboratório de Maricultura da Univali. No caso de constatação de intoxicação, a coleta de marisco continuará interditada, até passar o fenômeno da Maré Vermelha. "O próprio organismo dos moluscos faz a depuração dessa toxina", tranquilizou o professor Gilberton Manzoni, da Univali.