Postado dia 08/04/2017 às 09h59 - Atualizado em 11/04/2017 às 19h32

Iniciam as obras da Estação de Tratamento de Esgoto de Balneário Piçarras

Casan está investindo 23,2 milhões de reais na construção da ETE
Fonte: Assessoria de Imprensa

Com aproximadamente 90% das redes coletoras de esgoto já instaladas, a CASAN está também implantando a Estação de Tratamento de Balneário Piçarras. A unidade está sendo construída no bairro Santo Antônio, às margens da BR-101. O investimento é de 23,2 milhões de reais.

A ETE de Balneário Piçarras terá tratamento terciário, considerado o mais completo, pois além de matéria orgânica remove fósforo e nitrogênio do efluente final. Em sua primeira etapa a ETE terá capacidade de tratar 60 litros por segundo.

“Devido ao solo arenoso encontrado no local houve necessidade de uma revisão no projeto estrutural da fundação”, explica o engenheiro da CASAN Artur Marcondes de Mattos Linsmeyer, um dos responsáveis pela fiscalização da obra.

INSTALAÇÃO DA REDE

O último relatório do Sistema de Esgotamento Sanitário (SES) de Balneário Piçarras demonstra que 27.896,27 metros de rede coletora já foram concluídos. O índice representa cerca de 90% do trabalho. Além disso, 2.421,43 metros de emissários já foram implantados (63%) e 2.214 ligações domiciliares, concluídas. A rede foi implantada em 105 ruas da cidade.

A CASAN lembra que o esgoto residencial ainda não pode ser conectado à rede que está sendo implantada. “Mesmo com os pontos já instalados, as redes residenciais só deverão ser conectadas ao novo sistema depois que a Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) estiver construída. Até lá, o sistema de esgoto das casas deve permanecer como está”, ressalta o engenheiro Artur.

Nesta semana as obras estão previstas para as ruas Londrina, São Pedro, Belmiro Brandino Pedro, José Costa Flores, Rio de Janeiro e nas avenidas Nossa Senhora da Paz e Nereu Ramos.

SEGURANÇA

Para a implantação do sistema de esgoto, um maquinário pesado é necessário para escavar profundas valas nas frentes de serviço. O engenheiro Artur lembra também que o fluxo nas ruas onde ocorrem as obras tem sua normalidade alterada.

“Por isso também pedimos a atenção a sinalização demarcada pela equipe de trabalho para evitar acidentes e a compreensão dos moradores para estes transtornos temporários, que elevarão a qualidade de vida de todos com ganho na saúde e nas condições ambientais”, finaliza o engenheiro.