Postado dia 18/11/2017 às 14h37 - Atualizado em 21/11/2017 às 20h40

Marisco da Armação está liberado para consumo

Cultivo da Praia Alegre continua interditado, mas técnicos acreditam que seja liberada também nas próximas semanas

A retirada, comercialização e consumo de mariscos provenientes do parque aquícola de Armação do Itapocorói, foi oficialmente liberada pela CIDASC (Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina) na última sexta-feira, dia 17.

Com base em amostras coletadas no último dia 16, os peritos Cristian Rafael Kleemann e Dr. Mathias A. Schramm, que assinaram o laudo de liberação, concluíram após testes que o perigo representado pela toxina paralisante (PSP) registrada nos cultivos catarinenses de moluscos desde 19 de outubro, passou.

A interdição veio em decorrência do fenômeno da “maré vermelha”, que acontece ocasionalmente nos mares quando micro-algas tóxicas se reproduzem excessivamente, dando coloração avermelhada à água. Esse tipo de alga produz neurotoxinas que causam a intoxição PSP, que provoca diarreia, náuseas, vômitos, dores abdominais e perda de sensibilidade nas extremidades corpo. O fenômeno é corriqueiro para os maricultores, que já lidaram com ele em anos anteriores. O próprio organismo dos moluscos faz a depuração dessa toxina, a deixando apta novamente para consumo.

A interdição preventiva continua, no entanto, para a área de cultivo na Praia Alegre. Ela é um dos únicos quatro locais de cultivo em Santa Catarina ainda sob essa condição. Nas demais 36 áreas de cultivo do estado, a retirada, comercialização e consumo já foi completamente liberada.

Santa Catarina é o único estado do país que realiza o monitoramento permanente das áreas de cultivo através do Programa Estadual de Controle Higiênico Sanitário de Moluscos. Esse programa existe em todos os países que possuem uma produção expressiva de moluscos, e é um dos procedimentos de gestão e controle sanitário da cadeia produtiva, garantindo a segurança alimentar dos consumidores.