Postado dia 11/01/2018 às 12h20 - Atualizado em 12/01/2018 às 13h04

Penha registra uma das maiores incidências de queda da água em Santa Catarina

Cidade só ficou abaixo de Florianópolis em milímetros acumulados nas últimas 12 horas
Fonte: Assessoria de Imprensa da Prefeitura Municipal de Penha

152 milímetros de chuva em 12 horas. O maior volume de água da chuva já registrado na história de Penha é o segundo maior do estado, só perdendo para o registrado em Florianópolis na noite de quarta-feira e madrugada desta quinta-feira. Pelo menos mais dez cidades catarinenses foram fortemente afetadas pela chuva torrencial das últimas horas, todas com relatos de alagamentos, deslizamentos, quedas de energia, famílias desalojadas e desabrigadas.

Apesar de nas últimas 24 horas Penha também ter registrado um dos maiores índices de queda de água da chuva do estado – 180 milímetros, volume equivalente ao que geralmente cai num mês inteiro – foram as últimas doze horas a grande causa dos alagamentos que vitimaram famílias em todos os bairros da cidade. “Foi força de chuva demais em pouco tempo para a tubulação dar conta da vazão. O que aconteceu foi uma calamidade”, explica o secretário de serviços urbanos, João Batista Porto.

Pelo menos 200 famílias ficaram desalojadas, quatro estão desabrigadas, várias casas tiveram até o piso destruído, móveis foram perdidos, e na manhã de quinta-feira, várias ruas da cidade registravam a sujeira deixada pela chuva. Na Praia de São Miguel, uma casa chegou a cair. Desde a madrugada, a equipe do governo municipal, coordenada pelo prefeito Aquiles da Costa, esteve atendendo diretamente à população, dando prioridade para as famílias desalojadas. Um abrigo foi disponibilizado na Escola Municipal Rubens João de Souza já de madrugada.

“As famílias desalojadas já estão sendo cadastradas, e está sendo providenciado colchão, roupa de cama, travesseiros, e alimentação se necessário para elas”, garante o secretário de assistência social, Sérgio de Mello. Os moradores que quiserem fazer doações de alimentos não perecíveis, roupas, roupas de cama, colchões, travesseiros e água, podem ir direto na sede da Secretaria da Assistência Social, na Avenida Eugênio Krause, no centro.

Desde as primeiras horas de quinta-feira, as máquinas da secretaria de serviços urbanos estão trabalhando na desobstrução da rede pluvial, que entupiu e rompeu em vários pontos. A previsão é que o trabalho não pare nem no final de semana. A prefeitura deve declarar situação de emergência ainda hoje.

Moradores que residem em áreas próximas de moraria, como a região degradada da Praia de São Miguel devem ficar em alerta para o risco de deslizamento. Observadores da comunidade e da defesa civil estão de olho no morro, para ao menor sinal de desmoronamento avisar os moradores para que façam a evacuação do local.

“Nossa prioridade maior é garantir a segurança dos moradores”, adianta o prefeito Aquiles da Costa. “Sem dúvida é mais um momento difícil que a cidade está passando, e vamos precisar da ajuda de toda a comunidade”, convocou.

Emergências devem ser comunicadas a Defesa Civil de Penha pelo telefone 3345-0200, Bombeiros Militares pelo telefone 193 ou bombeiros voluntários, pelo telefone 3345-1001.