Postado dia 31/01/2018 às 18h30 - Atualizado em 31/01/2018 às 18h41

Penha solicita recursos à Defesa Civil Nacional para ajudar a reconstruir cidade após chuvas

Prejuízos no município são calculados em 7 milhões de reais pelas autoridades
Fonte: Assessoria de Imprensa da Prefeitura Municipal de Penha

7 milhões de reais. Esse é o valor solicitado pelo município de Penha junto a Defesa Civil Nacional para ajudar nas obras de reparos de ruas, pontes, tubulação e casas destruídas na cidade devido as inundações ocorridas no mês de janeiro. “Muitas dessas obras já estão sendo executadas, mas outras de maior valor, somente com ajuda do governo federal seriam viáveis”, explica o coordenador da defesa civil de Penha, Edpo Cristiano Bento.

A prefeitura busca recursos para reconstruir duas casas que sofreram danos durante a enxurrada. Já quanto aos moradores que perderam móveis e roupas, Edpo explica que a solução é a liberação do FGTS através de decreto da união. “Já fizemos essa requisição, mas agora depende do governo federal. Estamos articulando com deputados e senadores para lutar por essa causa em Brasília”, conta Edpo.

Ele e o assessor do gabinete da prefeitura de Penha, Eduardo Bueno, participaram de uma reunião em Florianópolis na última segunda-feira, dia 29, onde a Secretaria de Estado da Defesa Civil promoveu um encontro com as cidades que sofreram inundações agora em janeiro. Participaram representantes de Sangão, Gaspar, Blumenau, Penha, Porto Belo, Presidente Getúlio, São Francisco do Sul, Vargem, Itapema e Bom retiro. Em Brasília, o secretário Nacional de Defesa Civil, Renato Newton Ramlow e sua equipe interagiram via vídeo conferência.

O secretário de Estado da Defesa Civil, Rodrigo Moratelli, explicou que o objetivo da audiência é acelerar o atendimento dos municípios entre Estado e Governo Federal. "Nossa intenção é ser ágil na resposta ao cidadão. Este encontro dá celeridade aos municípios quanto aos planos de trabalho em construção. Isso faz com que o serviço seja mais rápido", comenta.

Durante a reunião, os representantes dos municípios foram assessorados por técnicos da Defesa Civil Estadual e do Governo Federal para elaborar os planos de trabalho de reabilitação e reconstrução. Isso faz parte das etapas para conseguir recursos para os municípios, como explica o secretário.

"Temos fases que devem ser cumpridas, que é a homologação do decreto pelo Estado e reconhecimento pelo Governo Federal; elaboração dos planos de reabilitação e reconstrução e depois a captação de recursos para poder minimizar os estragos causados pelas chuvas", diz Moratelli.

Além da orientação na reunião, Penha também contará com a visita de duas técnicas para auxiliar na condução dos processos de solicitação de recursos. A cidade foi classificada pela Defesa Civil como em estado de emergência de nível 2, uma situação bem pior do que ano passado, quando foi classificada como nível 1. Os cálculos da Epagri apontam que nos últimos 35 dias caiu em Penha 419,6mm de água proveniente da chuva. O volume normal nesta época do ano é calculado em 190 mm.