Postado dia 12/04/2017 às 10h40 - Atualizado em 14/04/2017 às 11h21

Saúde de Penha em alerta sobre casos de meningite nas escolas

Apesar de não haver surto em Penha, secretaria municipal de saúde pretende fazer campanha especial de vacinação

A ocorrência de mais dois casos de meningite em Penha, desta vez no Centro de Educação Infantil “Anjos do Itapocorói”, colocou a vigilância epidemiológica da secretaria municipal de Penha em alerta.

O primeiro caso foi confirmado na última sexta-feira, dia 6. Na manhã de ontem, segunda-feira, um novo caso foi relatado. No entanto, os dois seriam de tipos diferentes de meningite. Enquanto o primeiro caso seria de meningite viral, o relatado no começo desta semana foi meningite bacteriana, conforme informações da vigilância epidemiológica de Itajaí, que averiguou o caso no hospital Pequeno Anjo em Itajaí, onde a vítima foi atendida.

“Os casos aparentemente não têm relação entre si, apesar de terem ocorrido na mesma escola”, esclarece a coordenadora de vigilância epidemiológica de Penha, a enfermeira Jaine Spricigo. “Só é considerado surto da doença quando são confirmados três casos de meningite com o mesmo sorotipo num período de 5 a 10 dias”, explica.

Ela conta ainda que em geral as crianças da escola já estão vacinadas contra alguns tipos de meningite, que são administradas nas crianças de 2, 4 e 6 meses nas unidades públicas municipais de saúde. “Uma das exigências para a matrícula na educação infantil é a carteirinha de vacinação em dia”, diz. A rede pública municipal de saúde também disponibiliza vacina contra a Meningite do tipo C para crianças de 3 a 5 meses ou 1 ano de idade, além de reforço para adolescentes de 12 a 13 anos.

Apesar de não haver surto, a secretaria de saúde realizou a quimioprofilaxia nos contatos domiciliares da paciente, que receberam tratamento com antibióticos para prevenir a proliferação da doença. Na próxima tarde da segunda-feira foi feita uma reunião com os pais do Anjos do Itapocorói, onde foi feita orientação explicando sobre os tipos de meningite e suas formas de contagio, além de medidas de prevenção, principalmente na higiene, tais como lavar as mãos com álcool. O ambiente da escola também está recebendo higienização todos os dias após as aulas.

“Agora nosso cuidado é fazer o acompanhamento tanto das pacientes, quanto das outras crianças da creche”, disse Jaine. Ela não vê razões para pânico, mas recomenda que as pessoas evitem ambientes fechados por muito tempo, além de ficarem atentas aos sintomas comuns da doença, procurando atendimento imediato nas unidades de saúde do município e o pronto-atendimento. Esses sintomas incluem fortes dores de cabeça, vômito, rigidez na nuca e/ou pescoço e febre alta.

PREFEITO DETERMINA COMPRA DE VACINA E CAMPANHA ESPECIAL DE IMUNIZAÇÃO

Apesar da situação de Penha não ser diferente dos municípios vizinhos, ou até mesmo diferente do ano passado, quando foram verificados a mesma média de casos de meningite durante o ano, o prefeito Aquiles da Costa (PMDB), após reunião com o vice-prefeito e secretário municipal da saúde Lindomar Schulle (PSC), na noite de ontem, terça-feira, determinou a compra de um lote de vacinas contra meningite do tipo C, para ampliar a vacinação contra a doença para crianças até 13 anos.

O prefeito já havia solicitado as vacinas para o secretário estadual de saúde, Vicente Carropreso (PSDB), mas em virtude de não ter tido resposta, e considerando a situação do município urgente, decidiu que a cidade custearia a despesa. "Conseguimos executar uma boa economia com o enxugamento da folha de pagamento, e vamos usar esse dinheiro para estender a imunização de crianças e adolescentes contra a meningite", disse o prefeito em vídeo compartilhado por ele nas redes sociais na noite do dia 11. "Apesar de ainda não termos uma situação de surto no município, todo cuidado com a saúde das nossas crianças é prioridade", finalizou.

Além de dispobilizar a vacina em todos os postos de saude, a secretaria também deve levar a vacinação até as escolas. "Vale lembrar que a vacinação contra a meningite do tipo C já está disponível nos postos e faz parte do calendário de vacinação das crianças até 1 ano de idade", frisa a coordenadora da vigilância epidemiológica Jaine Spricigo. "Essa vacinação não é de hoje, e muitas crianças já são imunizadas. Os pais devem conferir a carteira de vacinação de seus filhos para verificar se eles já receberam a vacina", complementa.