Postado dia 20/03/2017 às 19h17 - Atualizado em 22/03/2017 às 11h27

Secretarias da Saúde e Educação monitoram caso de meningite em Penha

Vigilância epidemiológica pediu tranquilidade da população enquanto aplica ações preventivas
Fonte: Assessoria de Imprensa da Prefeitura de Penha

Um caso, até o momento isolado, de meningite meningocócica tem preocupado muitas pessoas em Penha, principalmente pais. No último domingo, foi diagnosticada a doença numa das professoras da creche Pingo de Gente, na Praia de Armação. A professora começou a manifestar os sintomas na noite de sexta-feira, e encontra-se internada desde sábado.

A vigilância epidemiológica da cidade imediatamente após ser avisada, na manhã de ontem, deu início as medidas emergenciais previstas nessas situações. “Foi feita a quimioprofilaxia nos contatos domiciliares da paciente durante o domingo, e hoje de manhã o mesmo com a turma da professora na creche”, conta a coordenadora da vigilância epidemiológica Jaine Luci Spricigo. A quimioprofilaxia trata-se da aplicação de antibióticos visando combater as bactérias causadoras da meningite e preveni-la. “Nem sempre quem tem a bactéria desenvolve a doença, mas pode se tornar um transmissor, por isso a importância do procedimento”, explica a enfermeira.

O procedimento geralmente é feito somente nas pessoas que tiveram contato por mais de 4 horas diárias com a vítima infectada, nos últimos cinco dias que precederam a manifestação da doença. No caso, a professora era monitora de 15 crianças na escola Pingo de Gente. “Já conversamos com os pais para fazerem a administração da medicação preventiva e ficarem atentos aos sintomas”, diz Jaine.

Ela complementa que não há motivo para alarde por enquanto. “Somente é considerado surto quando ocorre três casos de pacientes com meningite e que sejam do mesmo sorotipo”, explica. “Tanto as Secretarias de Educação quanto de Saúde estão monitorando a doença, todos os contatos da paciente, para assegurar atendimento imediato ou que não haja transmissão”, complementa.

Vale ressaltar que a doença é menos perigosa quanto tratada nos primeiros sintomas, que são: dores de cabeça seguidas de febre, vômito e rigidez na nuca. Aos primeiros sinais da doença, a secretaria de saúde recomenda que os pacientes se dirigiam as unidades de saúde mais próximas ou direto ao pronto-atendimento 24 horas. “É importante os pais terem a carteira de vacinação dos filhos em dia”, avisa Jaine. A vacina contra Meningite Meningocócica C faz parte da vacinação das crianças no primeiro ano de vida, e auxilia também a fortalecer as defesas do organismo contra outros tipos de meningite.