Postado dia 28/02/2017 às 09h23 - Atualizado em 01/03/2017 às 17h36

Corpo de "João Sonheiro" é furtado de cemitério em Armação

Mestre de Barco tinha próteses de ouro. "Quem fez sabia", diz família

Os bombeiros voluntários de Penha procuram por um corpo que foi furtado do Cemitério de Armação. As buscas começaram por volta das 14h desta segunda-feira (27). A Polícia Civil investiga o caso.

De acordo com os bombeiros voluntários, o caixão foi aberto e o corpo foi retirado. O homem era João da Silva, chamado também de João Sonheiro, mestre de barco conhecido na região. Ele morreu aos 65 anos em 4 de janeiro e também tinha uma pousada.

"A gente ficou sabendo hoje [segunda] de manhã que tinha sido mexido no túmulo", contou a viúva de João da Silva, Rosane Maria Santiago. Ela afirmou que o coveiro do cemitério entrou em contato com a cunhada dela, que relatou o ocorrido ao restante da família.

Em seguida, os parentes chamaram a Polícia Militar e fizeram boletim de ocorrência na Polícia Civil. Rosane comentou uma suspeita da família sobre a motivação do crime. "A gente acha que é porque ele tinha um pino de ouro no ombro direito. Quem fez sabia disso".

O caso está na delegacia do município vizinho de Balneário Piçarras. "A gente fez uma investigação preliminar, já temos uma linha de investigação", afirmou o delegado Wilson Masson, que disse que não vai divulgar suspeitas de motivação para não atrapalhar a apuração do caso. Não se sabe quando o caixão foi violado.

Ele falou também sobre um corpo encontrado em Penha na tarde desta segunda, que pode ser de João da Silva, e que foi levado para o Instituto Médico Legal (IML) de Balneário Camboriú, na mesma região.

"Tudo indica que seja o corpo. Não temos certeza ainda. A mulher [de João] foi para lá para verificar. A gente pediu um exame de DNA, pelo avançado estado de decomposição", explicou o delegado.