Postado dia 02/05/2017 às 20h16 - Atualizado em 03/05/2017 às 22h12

Embarcação de quatro pescadores artesanais de Penha vira e resgate acontece após seis horas do naufrágio

Fonte: Rádio Aquarela FM

Quatro pescadores artesanais de Penha levaram um susto ontem. A lancha em que estavam naufragou na costa de Penha e eles ficaram cerca de seis horas lutando pela vida para se segurar no casco da embarcação.

Pedro Eleotério, 60 anos, que mora no centro de Penha, Paulo Akira, 39, morador do Balneário Piçarras, Maiki Razan, 24, do bairro Santa Lídia, em Penha, e Marcos Bittencoutr, 58 anos, dono da lancha e que mora em Armação, também em Penha, naufragaram próximo das ilhas Itacolomi. Eles foram salvos por tripulantes de uma embarcação que, por sorte, os viu de longe pedindo socorro.

O naufrágio, segundo Marcos, ocorreu às 8h30, quando estavam a uma profundidade de 21 metros, por fora dos rochedos do Itacolomi. Pouco depois das 14h, foram resgatados. O grupo foi levado para a Marina Itajaí e chegou às 16h de ontem.

Marcos e Pedro contaram que o mar estava marolado e entrou muita água na popa (parte de trás) do barco. Eles tentaram mudar de posição dentro da embarcação para evitar que mais água entrasse, mas foi tarde demais. A lancha, segundo Marcos, é de fibra e tem 5,1 metros de comprimento.

Apenas Maiki teve tempo de alcançar um salva-vidas quando o barco virou. “Tivemos que mergulhar para baixo do barco para pegar os outros coletes”, disse Pedro, narrando um dos momentos tensos que passaram.

Eles lembram que tinham muita dificuldade de ficar sobre o casco e várias vezes foram jogados ao mar. Para Pedro e Marcos havia até então pouca chance de sobrevivência. Graças aos coletes não afundaram quando foram jogados pelas ondas.

Eles saíram de Armação do Itapocorói, em Penha, às 4h30 da madrugada para pescar. Ficaram até umas 7h30 perto da Ilha Feia. Quando amanheceu decidiram ir para o Itacolomi. Segundo ele, Pedro era quem pilotava a lancha, por ter licença. Às 8h30 aconteceu o acidente e também foi o último contato que fizeram, com a família, por celular.

A Marinha, os bombeiros Militares de Itajaí, os bombeiros Voluntários de Penha e o grupamento aéreo da PM foram mobilizados e montaram uma operação de rastreamento da embarcação. Dois helicópteros e duas embarcações foram usadas para vasculhar o mar. Até então, ninguém sabia direito onde os pescadores estavam.

Mas foram os tripulantes de uma embarcação, que vinha do Paraná com destino à Marina Itajaí, em Itajaí, que avistaram os náufragos lutando para não escorregar o casco. Passava das 14h quando Marcos, Pedro, Paulo e Maiki foram resgatados.

Em terra, eles receberam atendimento dos socorristas dos bombeiros, mas passavam bem, apesar do susto. Ontem, a Marinha pegou as informações sobre o naufrágio e deve abrir um inquérito para investigar o acidente.