Postado dia 08/01/2017 às 15h01 - Atualizado em 09/01/2017 às 14h00

Polícia apreende o veículo da “Carreta Furacão”

Carro estava com documentação irregular e infringindo legislação contra som alto

A “Carreta Furacão”, um veículo de entretenimento que apareceu pouco tempo atrás no Rio de Janeiro, com música alta e gente fantasiada fazendo audaciosas coreografias penduradas no caminhão, vem cada vez mais se tornando um “fenômeno cultural” e se espalhando pelas cidades brasileiras. Muitos são os pequenos “empreendedores” que veem no veículo um oportunidade de negócio, já que as pessoas pagam pra passear no alegre caminhão.

No entanto, assim como no Rio e em outras cidades onde a atração foi copiada, a Carreta também traz consigo a polêmica do barulho alto e da possibilidade de acidentes de trânsito. Em Penha não foi diferente. Apesar da carreta ser uma das poucas novidades de uma temporada de verão sem atrativos promovidos pelo poder público ou pela iniciativa privada, muitos moradores se incomodam com o som alto do veículo e sua baixa velocidade atravancando o lento tráfego comum nessa época do ano.

Foi o que aconteceu neste sábado, quando a polícia recebeu mais uma denúncia pelo 190 contra a “Carreta Furacão” em Penha. Não foi a primeira, mas desta vez os policiais pegaram o veículo em flagrante, com barulho acima de 80 decibéis, violando a norma 624 do Cotran (Conselho Nacional de Trânsito), que a partir do ano passado determinou a apreensão dos veículos infratores, além de multa de 195,23 reais e cinco pontos tirados da carteira do motorista. Foi constatado pela PM que o veículo da carreta de Penha também estava com a documentação irregular. A legislação de trânsito também proíbe que pessoas circulem em veículos automotores sem equipamentos de segurança em pé, como estaria fazendo a atração.

A autuação dividiu opiniões nas redes sociais, tanto com internautas apoiando a decisão da polícia, quanto outros lamentando que uma das poucas novidades turísticas da cidade esteja proibida. No entanto, como expressaram alguns PMs, não é tarefa da polícia questionar as leis, e sim fazer elas serem cumpridas. A carreta terá que se adequar a legislação para poder voltar a funcionar no município.