Postado dia 05/01/2018 às 19h06 - Atualizado em 10/01/2018 às 18h53

Suspeito de matar índio em Penha tem prisão decretada

Provável assassino é de Gaspar, já tem passagem pela polícia e está foragido

O suspeito de matar a pauladas o professor indígena xoclengue Marcondes Namblá teve a prisão preventiva decretada. Gilmar César de Lima, 22, está foragido e já tinha mandado de prisão em aberto por tentativa de homicídio, e passagens por posse de drogas, roubo. Segundo a Polícia Civil do Balneário Piçarras, em novembro o agressor esfaqueou um amigo e em agosto chegou a ser preso em flagrante por agredir também com um pedaço de pau a namorada.

A polícia identificou o suspeito após os depoimentos de testemunhas e também depois de analisar as câmeras de monitoramento dos estabelecimentos das mediações. As imagens mostram uma discussão, e depois o agressor volta com um pedaço de madeira.

Namblá foi espancado na rua, na madrugada de 1º de janeiro, em Penha. Ele foi atingido por vários golpes na cabeça e caiu. Depois, o suspeito chega a sair, mas percebe que a vítima faz uma tentativa para se levantar, e ele retorna para continuar com o espancamento.

Três testemunhas ouvidas na delegacia confirmaram que o indígena foi morto a pauladas e que chegaram a falar com o agressor. Ele teria dito que o indígena teria mexido com o cão dele que também aparece nas imagens, da raça rottweiler.

O indígena chegou a ser levado ao hospital Marieta Konder Bornhausen, em Itajaí, mas não resistiu aos ferimentos. O corpo foi enterrado na quarta-feira (3), no cemitério da aldeia Figueira, na terra indígena xoclengue de José Boiteux, no Alto Vale do Itajaí.